Você já imaginou estar num almoço maravilhoso, servido por um chef experiente e não poder ver o que está sendo servido? Parece uma loucura, não é? Mas esta é a realidade diária de milhões de brasileiros que perderam parte ou 100% da visão.

Comer com os olhos é uma delícia, mas quando a visão falha, o cérebro aprimora os outros sentidos. A visão é o sentido mais explorado pela mídia, por empresas de marketing e publicidade. Isto acaba deixando de lado o prazer que poderia ser proporcionado aqueles que não enxergam. Cegos – totais ou parciais – são esquecidos por grande parte das empresas. Sendo assim, a prestação de serviço a eles é muito falha.

Pensando nisto, a equipe do Casulo Cultural realizou, numa parceria inédita com o Senac Osasco, um almoço sensorial. O objetivo do almoço era explorar sensações diversas quando a visão está ausente. Será que o gosto sentido é o mesmo? A refeição fica mais ou menos saborosa? Será que é difícil localizar os acessórios como talheres, copo, taça, guardanapo e até a boca? Como é servir e prestar serviço a pessoas que não enxergam?

O almoço contou com um menu de primeira selecionado pelo Chef Lúcio Roberto e preparado junto com os alunos do curso de Gastronomia da unidade. A entrada era um Tartelete de Salmão defumado com involtini de uva e foi indicado para ser degustado com as mãos. O primeiro prato, um Risoto de limão siciliano com pernil desfiado e amêndoas laminadas, explorou a sensação de crocância dos alimentos. Já o segundo prato, um medalhão de mignon com trilogia de purês (cenoura, beterraba e brócolis) apresentou a suavidade e a delicadeza dos legumes e das flores na refeição (a decoração feita de flor era comestível). A sobremesa era uma panacota com calda de frutas amarelas e a decoração, uma espiral de caramelo, também podia ser degustada.

Sentaram à mesa convidados cegos e não-cegos. Entidades que lidam com o dia-a-dia de pessoas que perderam parcial ou inteiramente a visão estiveram presentes e levaram seus assistidos ao almoço, entre elas Laramara e Serenidade do Toque. Entre os convidados não-cegos podemos citar a gerente do Senac Osasco, Claudia Itano, o ator Nicholas Torres, Nancy Nasser, presidente do Lions Clube de Osasco, Letícia Leite e Juliana Reis da Revista Incluir e Vanessa Vasconselos, representando o setor de inclusão do Bradesco. Quem não é cega recebeu uma venda e fez toda a refeição sem enxergar.

Após o almoço um café e um bate-papo sobre a experiência. E a emoção permeou a fala de todos. Para os alunos, o desafio de servir pessoas que não enxergam é algo que deve ser colocado durante o aprendizado com mais frequência, já que estas pessoas existem e tem as mesmas necessidades de todos como vontade de sair para se divertir e para jantar a dois, por exemplo. Alessandra Costa, que enxerga e é esposa de José Roberto da Costa que perdeu a visão há pouco tempo, falou emocionada sobre a oportunidade de estar num almoço como este onde pôde se colocar no lugar do marido. E lembrou que os requisitos de acessibilidade, como piso tátil e braile em placas informativas ainda não são colocados em prática. Geisa, uma das convidadas que não enxerga, disse que ficou surpresa com o resultado. Era a primeira vez que estava em um almoço cujo menu foi pensado para pessoas que não tem visão. Claudia Itano, gerente do Senac Osasco, lembrou quanto outros sentidos se destacam quando a visão é retirada. Paladar e olfato ficam muito mais atuantes durante a refeição nesta situação. E reforçou a importância de haver mais acuidade no trato com deficientes visuais por restaurantes e outros estabelecimentos comerciais.

Na saída do evento, os convidados puderam conhecer o trabalho de Marcelo Pasqua. Ele é criador do Projeto “Tato” que está transformando obras de arte conhecidas em impressões em alto-relevo. Assim quem não enxerga pode “ver” a arte com as mãos!

Embora inovadora, esta experiência deve ser rotina – tanto no dia-a-dia dos estabelecimentos comerciais quanto nas escolas, não acham?

Este foi uma das atividades organizadas pelo Casulo Cultural em Osasco. O site Cultura Osasco tem orgulho de fazer parte do núcleo de comunicação deste projeto que está descobrindo e destacando para a sociedade os movimentos culturais da região oeste de São Paulo.

Convidados chegando no almoço
Convidados chegando no almoço
Convidados que enxergam recebem vendas dos alunos do Senac
Convidados que enxergam recebem vendas dos alunos do Senac
Preparação da entrada
Preparação da entrada
Chef Lúcio Roberto orienta uma das convidadas
Chef Lúcio Roberto orienta uma das convidadas
O ator Nicholas Torres degustando a entrada
O ator Nicholas Torres degustando a entrada
Um dos convidados cegos na degustação
Um dos convidados cegos na degustação

almoço sensorial - Casulo Cultural e Senac Osasco

Chef Lucio Roberto e alunos na preparação do segndo prato
Chef Lucio Roberto e alunos na preparação do segndo prato

almoço sensorial - Casulo Cultural e Senac Osasco

almoço sensorial - Casulo Cultural e Senac Osasco

almoço sensorial - Casulo Cultural e Senac Osasco

Chef (professor) e alunos do serviço do almoço
Chef (professor) e alunos do serviço do almoço
Entrada
Entrada
Primeiro prato
Primeiro prato
Segundo prato
Segundo prato
Sobremesa
Sobremesa
Claudia Itano, gerente do Senac Osasco
Claudia Itano, gerente do Senac Osasco
Monalisa em alto relevo, de Marcelo Pasqua
Monalisa em alto relevo, de Marcelo Pasqua

almoço sensorial - Casulo Cultural e Senac Osasco